contato@ariuca.com.br
TECNOLOGIA NO SETOR PÚBLICO EM ORIXIMINÁ

TECNOLOGIA NO SETOR PÚBLICO EM ORIXIMINÁ

Tecnologia no Setor Público em Oriximiná, localizada na Calha Norte do Brasil, na região oeste do Estado do Pará, no coração da Amazônia, não é diferente das demais pequenas cidades ribeirinhas do entorno e de alguma maneira estiveram historicamente marcadas pelo isolamento. As condições naturais, o clima, as distâncias, corroboraram por muito tempo na manutenção desse cenário. Essas condições ajudaram a manter os serviços do Estado, quase sempre muito distantes, especialmente na segunda metade do século XX e perdura até meados de 2019. Nas prefeituras da região era possível encontrar em alguma salinha dos fundos, onde se pode identificar uma inscrição: CPD. Nesse ambiente subexiste bravamente o “rapaz da computação”, por trás de uma montanha de sucatas de gabinetes de CPUs e componentes inúteis que aguardam pela baixa no patrimônio.

O AMBIENTE PROVINCIANO PROPÍCIO PARA FRAUDE

No início dos anos 90 a prefeitura de Oriximiná criava um discreto setor para processamento de dados ligado à Secretaria de Administração e Planejamento: o CPD. Basicamente a missão do CPD estava ligada ao que chamam de “fechamento da folha de pagamentos”, ou seja, o trabalho consistia em lançar dados sobre a frequência, dos mais de 2 mil funcionários, em um software que gerava os holerites que eram impressos em formulários contínuos alí mesmo e eram entregues aos funcionários e eventualmente geravam alguns relatórios administrativos.

Esses holerites, posteriormente, passaram a ser descontados na boca do caixa do Banco do Brasil. Dessa maneira, os comerciantes locais passaram a usar o documento, não só como comprovação de renda, mas principalmente, passaram a receber como pagamento esses contracheques devidamente assinados pelos funcionários da PMO que eram clientes de vendas a prazo e ao invés de se dirigirem ao banco, descontavam o contra-cheque, ali mesmo no balcão da mercearia, mediante alguma ao pagamento de alguma taxa, é claro, e assim, abatido o débito do caderno, o comerciante lhe devolvia a diferença, caso houvesse, em dinheiro vivo. Dessa maneira, além de encaminhar em seus malotes para o processamento bancário com os boletos, as duplicatas, cheques e dinheiro, agora ía junto uma nova moeda: os holerites ou seus respectivos contra-cheques dos funcionários da PMO.

É claro que esse processo não poderia durar muito tempo em função de sua fragilidade. Não demorou muito para que alguns funcionários do CPD à época, mal intencionados, deliberadamente encaminhassem ao banco, em meio a lista de funcionários, alguns funcionários fantasmas e em nome desses fantasmas fossem gerados holerites que seriam entregues a algum comerciante que facilmente os descontaria obtendo alguma vantagem financeira. Talvez seja nesse momento que a administração passa a entender com clareza a importância do discreto setor de CPD e a necessidade de aumentar os investimentos e atenção.

A partir das providências tomadas para reforçar as trancas para possíveis fraudes no futuro, o CPD passou a centralizar suas informações em servidores e até expandiu seu atendimento em uma pequena rede local. Dessa vez, outro software, mais elaborado, cuidava das finanças, do RH e do planejamento. De fato mesmo, nos últimos 30 anos pouca coisa mudou na concepção e administração da rede da PMO. O mesmo raciocínio de infraestrutura de rede que havia no prédio da administração foi levado para as secretarias, agora com um agravante: essas pequenas redes localizadas nas mais de 13 secretarias, agora estavam ligadas em rede e essa rede terceirizada provia acesso à internet, a gerencia da rede era feita pelo provedor de acesso e o CPD seguia processando a folha de pagamento do pessoal.

 

DEMANDA CORPORATIVA PARA UM ATENDIMENTO DOMÉSTICO
Atender as demandas dos usuários do serviço de rede, com segurança e escalabilidade é um desafio que deve ser encarado de maneira profissional.

DEMANDA CORPORATIVA PARA UM ATENDIMENTO DOMÉSTICO.

Há de se começar a admitir que a rede da PMO não pode mais continuar recebendo um tratamento doméstico e por isso precisa tratar o gerenciamento de sua rede de maneira profissional, até porque as demandas da coisa pública são cada vez maiores e a segurança das informações públicas obriga a administração a tomar atitudes diferentes em relação a contratação dos Serviços de Comunicação Multimídia, tendo como baliza legal o Marco Civil da Internet no Brasil de 2014 e mais recentemente a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados, ou seja, traz para agenda pública a necessidade de se considerar a evolução do discreto setor de CPD para a criação de um órgão, mais aparelhado, com time preparado e competente para lidar com Tecnologia e a Segurança da Informação, a exemple do que vem acontecendo em muitos municípios brasileiros.

10 Fragilidades do modelo utilizado hoje 

    1. Não tem acordo de SLA/QOS Não é possível medir a quantidade e nem a qualidade do link de internet contratado, tampouco garantir a disponibilidade do serviço 24h por dia, 7 dias por semana.
    2. Gerência e Rede tercerizada – O link de internet não é entregue em um único lugar, por isso, seria até possível monitorar o serviço, mas não é possível gerenciar diretamente a rede.
    3. Não há estratégia de contingenciamento do link – Caso haja algum problema no fornecimento do serviço por algum motivo, a PMO fica sem Internet porque não há outra operadora contratada que possa lhe contingenciar o socorro de um plano B.
    4. Não existe governança de TI O Programas de gestão da folha, RH e Contabilidade, são recursos de software proprietários de terceiros, pagos a preços absurdos e quando o contrato é encerrado ou há a opção por outro software, simplismente, o banco de dados com as informações dos usuários é subtraído. Obrigando a empresa que disponibilizará o novo software  a refazer cadastros, como o do IPTU por exemplo e as demais informações financeiras e contábeis são perdidas e até podem ir parar como mais um produto de banco de dados vendido na deepweb. Outro exemplo clássico, é quando aquele funcionários resolve não fornecer sua senha administrativa e aí a Prefeitura fica refém;
    5. Não há e-mail institucional Os servidores utilizam e-mails pessoais ou com domínio gratuíto o que não lhes garante a devida segurança e disponibilidade já que está sujeita à infraestrutura de terceiros;
    6. Não há planejamento de rede Pelo fato de não possuir uma rede própria a Prefeitura usa a capilaridade da rede do fornecedor do serviço de acesso à inernet e por isso, não pode planejar a expansão dos serviços para as comunidades do interior por exemplo, onde não seja do interesse do fornecedor. Assim, regiões de dificil acesso, seguem isoladas, ou por outra, disponibilizam um serviço via satélite, que não tem a mesma eficiência das redes terrestres.
    7. Tráfego de dados concorrente – A eficiência do fluxo de dados é mediana ou ruim, isso ocorre porque a solicitação dos serviços de rede feita pelos usuários da Prefeitura, concorrem com as solicitações feitas pelos milhares de usuários dométicos da cidade, já que ambos estão na mesma rede do provedor de acesso que atende a Prefeitura. Assim, cada um dos mais de 80 pontos que compõe o corpo administrativo da Prefeitura que é atendido, é como se fosse 80 clientes domésticos. A Prefeitura aumentaria a eficiência dos serviços de comunicação multimídia, se tivesse uma rede privada, a isso chamamos de rede metropolitana.  
    8. Altíssimo custo serviço – Hoje com a oferta de link entregue na zona urbana de Oriximiná, atendido por grandes operadoras de transporte de dados, de porte nacional, como VIVO  e TIM, ou ainda, grandes operadoras regionais, que detem grande disponibilidade de banda e podem garantir maior atenção ao cliente corporativo, já não faz mais sentido pagar R$240,00/megabit, se há oferta de serviço, cinco ou seis vezes mais barata. Detalhe, o preço pago até meados de 2019 era R$960,00/megabit;
    9.  Não há oferta de serviços de rede – Os serviços são os mais variados possíveis, há aqueles ligados ao desenvolvimento de soluções e aplicações web, oferta de wifi-premium para visitantes com autenticaçõa hotspot, serviço de telefonia de voz sobre ip (VoIP), implatação de controle de acesso como catracas eletrônicas, controle de registro de ponto para funcionários com biometria, videomonitoramento patrimonial, oferta de internet em praças e pontos de recreção e visitação turítica;
    10. Recurso Técnico – Ainda não tem time competente para atender a nova demanda.

02 Aspectos positivos do modelo utilizado hoje

  1. Não tem investimento em ativos de rede – É um item que pode ser avaliado de várias formas, no entanto, sob qualquer ótica a Prefeitura está refém da infraestrutura alheia;
  2. Não tem custo com manutenção da rede – Se não tem rede, não há porque ter custo com isso. Há no entanto, custo com redes LAN, ou seja, as redes locais, aquelas estruturas que estão destro das secretarias e repartições e os custos com pessoal e manutenção dessas infraestruturas são maiores e mais constantes do que a atenção demanda com eventuais manutenções à rede metropolitada, ou seja, é possivel afirmar que assumir a manutenção de uma rede metro, muito pouco impactaria no custo final com manutenção.

INFRAESTRUTURA | ENTENDA COMO A INTERNET CHEGA ATÉ A REGIÃO DA CALHA NORTE E QUAIS AS PRINCIPAIS ROTAS DE INTEGRAÇÃO AO RESTANTE DO PAIS.

Desde de 10 de agosto de 2019, cinco anos após a conclusão das obras do linhão de Tucuruí, que levou internet para Manaus e Macapá, garantindo assim os esforços de investimento do Governo Federal para a Copa do Mundo, há diponibilidade de link de internet em Oriximiná, bem como, serviço de transporte de dados e integração aos principais DataCenter do país, onde se acham abrigados fisicamente os CDN, Servidores de Conteúdo dos principais serviços da internet, como: bancos, Google, Facebook, Netflix, etc.

Mesmo havendo disponibilidade do serviço na subestação da ISOLUX, localizada à 30 km da área urbana, só agora no final de 2020, finalmente a fibra ótica chegou à zona urbana de Oriximiná, inaugurando um novo momento no atendimento, na largura de banda, na qualiddade e nos preços dos servios oferecidos. Em um webinar do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores, do IESPES/Santarém, especialistas analizam o BACKBONE, ou seja, a espinha dorsal do transporte de dados já disponível e o fim da dependência direta, exclusiva de Santarém, Pa, que em torno de 30 anos conta com a disponibilidade do serviço trazido pelo chamado Linhão Tramoeste e que atendeu a região por todos esses anos. A partir de Santarém o transporte de dados era feito via rádio/enlace, o que demandava de alto custo de investimento, manutenção, com limitação de banda, ou seja, quantidade de link transportado era limitada.

Internet no interior de Oriximiná: uma demanda possível
INFRAESTRUTURA | Circuitos de dados – Rede Trombetas, Rede Cuminá e Rede Alto Trombetas

INTERNET NO INTERIOR DE ORIXIMINÁ: UMA DEMANDA POSSÍVEL

É desejável que a rede da PMO avance para além dos limites da zona urbana e alcance, pelo menos, as estratégicas comunidades polo, onde vivem cerca de 40% da população, na zona rural do município. Isso garantirá não apenas suporte ao trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde ou de endemias, como também servirá para aproximar a gestão das escolas espalhadas pelo interior, sobretudo garantirá a construção de um novo processo: o processo de empoderamento comunitário pela informação, que se converte em ferramenta pela qual será possível gerar mais educação, mais qualidade de vida e a consequente possibilidade de atrair mais renda, diminuindo a tendência natural de êxodo para o centro urbano, etc.

Assim, esse trabalho espera lhe oferecer informações técnicas que podem lhe ajudar a compreender melhor os problemas e as possíveis soluções, na gerencia, no planejamento e na melhor estratégia de possíveis investimentos melhorias na rede pública de atendimento ao cidadão. As melhorias ocorrem na medida em que se implementam protocolos de tráfego e segurança, além de demais serviços ligados a comunicação multimídia possíveis por meio da entrega de link dedicado de internet oferecidos pelas operadoras de transporte, eventualmente contratadas

.