• Imagem aérea da MRN
  • Imagem de crianças
  • Cachoeira do Jamaracaru
  • Imagem das crianças de novo

01 setembro 2009

Oriximiná e seus olhares

Esteve por aqui o DIEGO DACAL que nos traz uma leitura interessante sobre vários aspectos das mobilizações sociais de nossa gente. Ele criou um Blog interessante pra divugar suas descobertas antropológicas locais.
Oriximiná e seus olhares traduz os sentimentos de um olhar externo, muito instrutivo, de bom gosto e sobretudo respeitoso com nossa cultura e nossa gente da floresta. Confira o artigo.


-----------------------------------------------------------------------


*Artigo postado por DIEGO DACAL, Publicitário pela Universidade Estácio de Sá. Aluno de Estudos de Mídia da Universidade Federal FLuminense no Blog Oriximiná e seus olhares em 18 de agosto de 2009.

ARQMO, uma história de lutas

Os quilombolas de Oriximiná possuem um largo histórico de lutas. Desde que chegaram ao Brasil eles lutam, primeiro a luta pela fuga, depois a luta contra os índios, depois a luta pela sobrevivência na floresta, agora a luta pela demarcação de terras e pelos seus direitos constitucionais. A ARQMO (Associação dos Remanescentes Quilombolas do Municipio de Oriximiná) foi uma das primeiras organizações quilombolas do Brasil, tendo sido fundada em 1989.

Ao observar a cultura dos negros de Oriximiná é possível notas que muito se parece com a cultura indígena, presente localmente com a tribo Uai Uai. Suas embarcações são muito parecidas, as antigas casas, feitas de palha, a estrutura social dentro da comunidade, a figura do Sacaca (semelhante ao Pajé), a culinária etc, eles possuem muitas coisas em comum, que denunciam como que os negros foram ajudados pelos índios em suas fugas. Parte de sua história também mostra que eles lutaram juntos durante a Cabanagem, revolta que aconteceu no Pará no século XVIII.


Imagem Diego Dacal

A história recente mostra que Oriximiná é um dos maiores (senão o maior) pólos de lutas dos direitos dos quilombolas no Brasil. Através de suas lutas, os negros daqui tiveram a primeira titulação de terras no ano de 1995 e é no Pará que se encontra o maior número de terras quilombolas tituladas. Nas terras tituladas encontra-se mais de 3700 famílias e ainda existem diversas outras terras em processo de titulação.

Imagem Diego Dacal

Eu conversei durante horas com Daniel Souza, coordenador estadual dos movimentos quilombolas do Pará. Ele se mostrou uma pessoa bastante politizada, mas não partidariamente, ele luta pelos direitos dos negros do Pará e do Brasil, conhecendo movimentos quilombolas de vários estados.

Em um certo momento sentamos com o Daniel porque ele queria mostrar um site que a CPI (Comissão Pró-Índio) fez sobre os movimentos quilombolas do Brasil. Curioso que aparentemente ele não sabia ler muito bem, mas isso não se materializava como um empecilho para sua dedicação nas lutas. Muitos dos ativistas possuem formação acadêmica até o 6º ano somente.

Layout do site CPI/SP

Como um interessado em mídias digitais eu perguntei para o Daniel como era a relação das lutas com a internet, e tive uma grande surpresa. A forma de luta se mostrou igual a forma com que o EZLN (Ejército Zapatista de Libertación Nacional) fazia na década de 90. As vezes eles enviam emails para seus contatos afim de obter uma mobilização digital para enviar emails para os órgãos e pessoas envolvidos no processo de demarcação de suas terras.
Outra coisa que achei interessante é a preocupação de "mostrar" o movimento quilombola, por isso eles gostam que pesquisadores cheguem até suas comunidades, eles esperam que estes pesquisadores se solidarizem com a sua luta e mostrem para o mundo como eles merecem/precisam desta demarcação de terras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação em nosso fórum de debates sobre o cotidiano da cidade de Oriximiná, Pará, Amazônia, Brasil. Se quiser você pode enviar seus texto, fotos e vídeos para o e-mail hamilton@ariuca.com.br. Continue participando.